Partilhar

sexta-feira, 21 de abril de 2017

ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA PROCESSO SELETIVO NO CIEJA

COMUNICADO Nº 406, DE 20 DE ABRIL DE 2017

Abertura de inscrições do Processo Seletivo para Professores do Ensino Fundamental II e Médio, em exercício na Rede Municipal de Ensino interessados em desenvolver atividades de docência no CIEJA – SANTANA/TUCURUVI  e no CIEJA – VILA MARIA / VILA GUILHERME:  

Regência em classes do Ensino Fundamental II nas áreas de Arte e Ciências da Natureza e Matemática no CIEJA – SANTANA/ TUCURUVI e no CIEJA-VILA MARIA / VILA GUILHERME 

PÚBLICO ALVO: Professores de Ensino Fundamental II e Médio na área de Arte e Professores de Ensino Fundamental II e Médio na área de Ciências da Natureza e Matemática (Habilitação em Ciências e Matemática), da carreira do Magistério Municipal. 

INSCRIÇÕES: No CIEJA – SANTANA/TUCURUVI, situado à Rua Cel. João da Silva Feijó, 34 – Pq. Mandaqui, telefone 2233.2170 e no CIEJA – VILA MARIA / VILA GUILHERME, situado na Rua Francisco Franco Machado, nº 68, Bairro Vila Sabrina, telefone: 2201.65.02, nos dias 26, 27 e 28 de abril de 2017, das 8 horas às 20 horas

ETAPAS DO PROCESSO DE SELEÇÃO 

1- Dia 02/05/2017 às 9 horas: Avaliação Escrita

2- Dia 02/05/2017: Entrega de Projeto de trabalho ou sequência que explicite sua prática docente; 

3- Resultado da Avaliação Escrita: 03/05/2017

4- Recurso da Avaliação Escrita: 03/04/05 de maio de 2017; 

5- Dia 08/05/2017: Entrevista;

6- Dia 08/05/2017: Entrega da Ficha de Pontuação que comprove tempo de efetivo exercício no magistério da Rede Municipal de Ensino da PMSP;

7- Dia 09/05/2017: Classificação Final do Processo de Seleção 

Em: http://www.docidadesp.imprensaoficial.com.br/NavegaEdicao.aspx?ClipID=9U25EK826GQ9Ge03QG2M2K56U88&PalavraChave=CIEJA%20Vila%20Maria/Vila%20Guilherme

domingo, 16 de abril de 2017

Sessão de Cinema do AfroeducAÇÃO - GRATUITO!

                           AfroeducAÇÃO - GRATUITO!

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto


ABERTO AOS ALUNOS E COMUNIDADE

Para prosseguirmos as sessões de cinema do CIEJA VILA MARIA em 2017, convidamos alunos, ex-alunos, professores, funcionários, comunidade para participarem da sessão de cinema do AfroeducAÇÃO no Shopping Frei Caneca (próximo ao metrô Consolação) na Rua Frei Caneca, nº 569.

QUANDO: 29 de ABRIL de 2017

HORÁRIO: das 11:00 às 13:30 (retirada de ingressos às 10:30)

ONDE: no cinema do Shopping Frei Caneca (3º andar)
Rua Frei Caneca, nº 569 (metrô Consolação)

QUEM PODE PARTICIPAR: alunos, ex-alunos, professores, funcionários, comunidade e público em geral

CUSTO: ENTRADA GRATUITA

DEBATE: após a exibição do filme haverá debate 

Marcos Eça

segunda-feira, 10 de abril de 2017

PROJETO: VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES


MÓDULO 2D – NOTURNO – PROFESSORA VANIA MARTINS

“O ATALHO”

Os alunos do Módulo 2D, Ivanildo e Maria Farina, realizaram um trabalho relacionado ao Projeto deste bimestre: “Violência contra as mulheres”. Eles representaram muito bem o preconceito e descaso que as mulheres sofrem profissionalmente... Parabéns aos alunos! 

Veja o trabalho no vídeo abaixo:

Professora Vânia


domingo, 9 de abril de 2017

CIEJA CINECLUBE - 12/04/2017 - 2ª EDIÇÃO DO ANO

                CIEJA CINECLUBE - GRÁTIS!

ABERTO AOS ALUNOS E COMUNIDADE


Para prosseguirmos as sessões de cinema do CIEJA CINECLUBE em 2017, escolhemos o filme A Hora da Estrela de  Suzana Amaral pelo fato de continuar abordando a temática do bimestre - Direitos Humanos: Violência contra a Mulher e podermos refletir sobre a mulher na sociedade atual.



QUANDO: 12 de ABRIL de 2017

HORÁRIO: das 15:00 às 17:30 (entrada permitida até as 15:15)

ONDE: No auditório do CIEJA

QUEM PODE PARTICIPAR: alunos, professores, funcionários, comunidade e público em geral

CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 
Não recomendado para menores de 12 anos



CUSTO: GRÁTIS

DEBATE: após a exibição do filme haverá debate mediado pela professora de Linguagens e Códigos Lourdes José da Silva e pelo coordenador pedagógico Marcos Eça.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Reunião Pedagógica de 30/03 e Mural Síntese sobre Currículo

REUNIÃO PEDAGÓGICA

DIA 30 DE MARÇO DE 2017

Iniciamos nossa reunião pedagógica entregando uma pauta realizando um convite às/aos professoras/es: a pauta tinha o formato de uma porta e apresentava o seguinte enunciado: “Bata, se abrir entre”. Ao abrir a porta, havia a pauta a ser desenvolvida.

Iniciamos a reunião com uma dinâmica chamada “Em uma ilha deserta...”  (anexo 2) em que propusemos a seguinte situação:





“Como quase sempre começamos falando de algum filme, hoje trataremos do longa Náufrago (2000) – lembram-se do sr. Wilson e de Tom Hanks? Vamos imaginar que você estava naquele avião que caiu no mar e foi o único sobrevivente – Tom Hanks morreu! E nada de sr. Wilson, por favor! –, de tudo o que havia na aeronave escreva abaixo 10 itens que podem ser úteis para você sobreviver na ilha deserta por tempo indeterminado e aguarde pelas instruções...”


Após propô-la e os professores escreverem seus 10 itens, resolvemos dificultar um pouco mais a situação da seguinte forma: pedimos que os professores se unissem em pares e que ao invés de 10 itens somente poderiam levar 3 objetos. Realizado esse momento, dificultamos um pouco mais: agora, os professores teriam de se unir em 4 pessoas e levar apenas 2 objetos. Não satisfeitos, dificultamos um pouco mais: pedimos que se juntassem em 8 professores e levassem apenas 1 objeto e, por fim, que todos os professores se unissem e levassem um único objeto e qual seria este: após todos esse trabalho de negociação, trocas, discussão decidiram levar um kit de primeiros socorros com muitos objetos. Ao longo da dinâmica pudemos notar a interação e como cada um vai resolvendo os problemas propostas. Momento inicial prazeroso e de abertura da reunião.


A seguir assistimos a algumas cenas dos filmes A Língua das Mariposas (1999) de José Luis Cuerda e Pro Dia Nascer Feliz (2005) de João Jardim para refletirmos e discutirmos sobre o imaginário de escola e de estudante que permeiam nossa sociedade como também o imaginário e as noções de currículo predominante nas unidades escolares. A discussão a partir de material audiovisual foi intensa e levantou boas questões.


Na sequência, formamos três grupos para lermos das páginas 17 a 20 do texto Indagações sobre Currículo – Currículo, Conhecimento e Cultura (anexo 3; em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/indag3.pdf )               e elaborarmos 2 problematizações ou questões para serem discutidas e debatidas com os outros 2 grupos.

As/os professoras/es se dividiram nos grupos e em um deles estava a coordenadora geral, em outro a assistente da coordenadora e no terceiro o assistente pedagógico e educacional. Todos os grupos leram o texto, o discutiram e levantaram suas questões que são as seguintes (o primeiro grupo conseguiu elaborar 3 questões, por essa razão tivemos 7 questionamentos ao final):

1) Como o currículo é influenciado pela realidade social e cultural?
2) Como as atitudes e ações dos funcionários da escola como um todo influenciam no currículo?
3) Como se consegue dar conta da realidade da comunidade e do mínimo curricular colocado pelo sistema?
4) O quanto conhecemos sobre a identidade cultural dos nossos alunos?
5) Uma professora estava dando aula sobre sexualidade humana, explicitando os métodos contraceptivos. Quando uma aluna a interrompeu dizendo que no fluxo (baile funk que ocorre na rua) “manda ver” e é tudo liberado. Qual seria sua intervenção na sala de aula?
6) Quando citamos aprendizagem tradicional não estamos nos referindo às vezes ao termo como prática e não como currículo?
7) Como construir um currículo que contemple a diversidade de alunos do CIEJA?

Após todos os questionamentos e problematizações, deixamos sobre uma das mesas várias tiras de papel cartão e propusemos o seguinte questionamento: o que vocês diriam, ou melhor, escreveriam sobre o currículo da nossa escola?

Cada professor retirou uma tira e escreveu uma palavra ou enunciado. Realizamos a leitura destes e combinamos que na jeif de 04/04 montaríamos o mural síntese de nossa reunião pedagógica e que levaríamos os alunos para visitá-lo e introduzir, apresentar, discorrer sobre o currículo e nosso PPP 2017 com eles. Abaixo veja o mural elaborado por todos nós.



Até a próxima!

Marcos Eça

sábado, 18 de março de 2017

Mirem-se no exemplo das mulheres do CIEJA

Na semana do Dia Internacional das Mulheres, decidimos elogiá-las montando um mural com todas (ou quase todas) as mulheres do CIEJA: funcionárias e alunas.

Para tanto, nos inspiramos na música Mulheres de Atenas de Chico Buarque e nomeamos o mural de Mirem-se no exemplo daquelas mulheres do CIEJA.

Iniciamos o mural colocando na margem enunciados de mulheres diversas dizendo o que é ser mulher e dentro do mural algumas imagens de feministas associados a enunciados representativos delas.

Na sequência começamos a tirar fotos das mulheres do CIEJA, as imprimimos e as entregamos a elas fazendo o convite para que colassem seu retrato onde quisessem no mural. Tínhamos em mente que ocupassem um lugar de autoria por meio de imagens.

Ao longo do processo, homens decidiram escrever poemas, enunciados, textos homenageando as mulheres sendo também incorporados ao mural.

Belo trabalho que não é apenas uma homenagem, mas sim um fazer,olhar e refletir acerca das mulheres do CIEJA, da nossa sociedade e do mundo atual.

Viviane Moreiras e Marcos Eça



















Violência contra as mulheres: hoje e na ditadura

Para fecharmos a semana do Dia Internacional das Mulheres, no dia 10 de março, realizamos uma conversa sobre a temática Violência contra as Mulheres: Hoje e na Ditadura. 

Tivemos o prazer de receber duas convidadas que discorreram sobre o tema e provocaram o debate para refletirmos sobre as mais diversas questões envolvendo preconceito em relação à mulheres e como os homens, geralmente, tratam, veem, abordam e respeitam (ou não) as mulheres próximas a eles.

Uma das grandes questões que deixamos é: como tudo o que foi discutido reverberará em todos nós? Ou melhor: a partir dessa conversa seria interessante minimamente pensarmos um pouco mais nas diferenças entre homens e mulheres na nossa sociedade.




















Marcos Eça e Viviane Moreiras