Partilhar

domingo, 24 de abril de 2016

REFLEXÃO A PARTIR DE CHARGES INDÍGENAS

Entre os dias 04 e 08 de abril, aproveitando o tema do nosso projeto inicial do ano de 2016 em que discutimos a temática Étnico-racial e Indígena, os alunos do período matutino foram convidados a produzirem suas próprias charges a partir do tema nas aulas de Ciências Humanas.

Antes que os alunos realizassem a atividade, o professor responsável, Marcelo Molinari, trouxe diversas charges sobre o tema indígena e apresentou para os alunos o conceito de charge, que muitos desconheciam. 


Foram exibidas diversas charges que discutiam o tema dos povos indígenas no Brasil provocando reflexão e bons debates acerca do tema. O professor Marcelo comentou que ficou bastante contente com os resultados, além disso pontuou que trabalhar com esse gênero foi benéfico para a compreensão dos alunos com deficiência que entenderam por meio de imagens as mensagens implícitas nos textos.

Veja abaixo algumas destas charges:


Prof. Marcelo Molinari






Após esta introdução, os alunos realizaram suas próprias charges, inspirados nas imagens que tinham acabado de observar e o resultado desta produção pode ser visualizado abaixo:















                                     Prof. Marcelo Molinari

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Trabalhando medidas de massa no Módulo 1C e 1D (noturno)

Trabalhando medidas de massa


Medidas de massa são utilizadas no cotidiano de todos. Os alunos dos módulos 1C e1D iniciaram esse conteúdo trazendo embalagens vazias de produtos que são comprados por quilo e grama. Ao verificarem os pesos, surgiu também a necessidade de verificar nas embalagens o prazo de validade e os ingredientes daquele produto, o que foi muito importante pois  puderam  verificar, entender  a quantidade de sódio existentes em alguns produtos que eram consumidos em excesso pelos alunos e os malefícios disso para a saúde.

Dentro do Projeto Étnico-racial e indígena foi abordado a culinária indígena onde foi possível escolher dentre tantos produtos dois deles: o amendoim e a mandioca. Tendo como ponto de partida esses dois ingredientes, os alunos decidiram fazer um dia de socialização com dois pratos típicos; a Tapioca e eu acabei entrando com uma receita de Paçoca de colher.

Ao planejar como fazer a tapioca, para todos da sala houve a necessidade de verificar as quantidades da farinha de mandioca e os ingredientes para o recheio, bem como a quantidade de amendoim e a farinha de rosca e o açúcar para a Paçoca de colher.

O gênero receita aparece aqui em Linguagens e Códigos o que foi muito apreciado pelos alunos que disseram que irão fazer em suas casas.

Cheguei mais cedo e arrumei a sala para esperar os alunos, que se sentiram acolhidos. Uma das alunas do módulo 1C, Terezinha, fez a tapioca para todos aprenderem. A aluna  Poliana auxiliada pelo Carlos fizeram a Paçoca de colher. 

No módulo 1D a aluna Alda fazendo a Tapioca e os alunos Osvaldo  e Maria Rita fazendo a paçoca de colher. 

Preciso agradecer ao aluno Carlos por ter trazido para saborearmos um prato saborosíssimo: vaca atolada.

Após a socialização dos pratos, os alunos relataram que se sentiram como se estivessem em uma família.

Apesar de sempre estarmos envolvidos com a aprendizagem acadêmica, momentos em que os alunos podem conversar uns com os outros e a professora poder também participar das conversas é por demais prazeroso. 

Gestos como esse aproximam os alunos e a professora.

Paçoca de colher
2 xícaras de amendoim sem pele
1 xícara de farinha de mandioca torrada
1 xícara de açúcar
1 colher (chá) rasa de sal

Modo de preparo
Toste os amendoins no forno, cuidando para não queimá-los.
Triture no liquidificador.
Em uma travessa, misture o amendoim moído, a farinha de mandioca, o açúcar e o sal.
Misture bem esses ingredientes e está pronta a paçoca..
Sirva em copinhos.

Tapioca
1 medida de polvilho doce

1 pitada de sal
1/2 medida de água filtrada


A medida vai depender da quantidade que você quer preparar. Para uma tapioca média, 1 xícara da goma é suficiente; mas se quiser, você pode preparar quantidades maiores e já deixar pronta em um pote bem fechado.

Comece colocando o polvilho doce em um recipiente, tempere com um pouquinho de sal e vá acrescentando a água aos poucos e mexendo com cuidado para integrar bem. Você vai obter uma massa estranha, meio seca, meio molhada, que deve descansar por mais ou menos uns 15 minutos para que o polvilho hidrate e fique mais solto. Se exagerar na água, é só acrescentar polvilho aos poucos.

Após a pausa, é só passar a goma por uma peneira para desfazer os grumos e deixá-la mais fina. Depois disso, você vai ter a massa ou goma de tapioca pronta. Para guardá-la, coloque em um pote bem fechado.


A tapioca recheada é preparada diretamente em uma frigideira quente, sem qualquer tipo de gordura. Cubra o fundo da frigideira com a goma sem deixar buracos ou falhas na superfície e espere ficar firme (mais ou menos 4 minutos). Vire, coloque o seu recheio preferido (manteiga, queijos, queijo e presunto, calabresa moída, frango desfiado com catupiry, goiabada, leite condensado com coco, banana com canela etc.) e deixe por mais uns 2 minutinhos.

Bom proveito a todos!

Professora Isabel Pecim



















Professora Isabel Pecim

segunda-feira, 18 de abril de 2016

MÁSCARAS AFRICANAS Módulos 1A/ B/ C/ D

MÁSCARAS AFRICANAS


O continente africano é enorme e habitado por várias etnias, por isso apresenta diferenças culturais, estéticas e religiosas de uma região para outra. Consequentemente, a máscara africana não tem traços homogêneos, cada comunidade possui seu próprio estilo artístico.

A maioria das máscaras é feita em madeira, afinal para os africanos a árvore é guardiã de poderes mágicos. O artista parte de um tronco cilíndrico e vai afinando com o auxílio de suas ferramentas. A madeira escolhida deve ser verde e para que não rache, ele a carboniza jogando óleos de palmeira.
Além da madeira, outros materiais podem ser usados nas esculturas, como pedra, marfim, ouro, cobre e bronze.

Depois de conhecerem as máscaras africanas nas aulas de Informática e estudarem sua origem com as professoras em sala de aula, os alunos confeccionaram máscaras pintadas somente com tintas naturais como anil, urucum, colorau, açafrão e outros.

Em seguida fizeram a exposição no mural da escola. Ficou lindo!

Professoras Isabel e Vania
Módulos 1 A/B/C/D

 















Professoras Isabel Pecim & Vania Martins